LuMoraes

"Me encante com uma certa calma, sem pressa. Tente entender a minha alma". Pablo Neruda

Textos


(Imagem Google)


Emoção Azul/Rosa



 
Isabel era toda felicidade diante daquele cenário criado cuidadosamente por ela, que fez questão de encarregar-se pessoalmente de cada detalhe daquela festa que seria o Chá de Revelação do sexo do bebê, que esperava com tanto carinho. A reunião seria para poucas pessoas, familiares, apenas, tomando-se todos os cuidados, atendendo às orientações quanto ao distanciamento social. 

Era mamãe de primeira viagem e aquela criaturinha dentro do seu ventre já era muito amada por ela, qualquer que fosse o sexo, mas, intimamente, ela já intuía o que seria e, por vezes, secretamente, conversava com o bebê chamando-o pelo nome, carinhosamente.

Eduardo, o pai, procurava se policiar, se conter, mas, no fundo, bem no fundo, tinha a sua preferência, esperava por um companheirinho de futebol e já o via torcendo pelo seu time do coração, porém,  também já amava aquele bebê e pedia que viesse com saúde.

Chegara o dia da revelação! O pequeno grupo ao redor da mesa, os pais, cada um com um bastão na mão, os quais poriam fim àquela expectativa. A tia Lu, fora a responsável  pela surpresa e guardiã do segredo,  pois somente à ela fora dada a incumbência de saber o sexo do bebê, pelo conclusivo exame de sexagem fetal.

 
Um...dois...três...acendem-se os bastões e tcham, tcham, tcham, tcham... surge a tão esperada fumaça  ..............................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................R  O  S  A.

A alegria foi geral, risos, lágrimas de felicidade, cumprimentos e felicitações...muita emoção!

Três meses depois, Maria Luisa veio ao mundo, linda, perfeita, com muita saúde,  no primeiro dia do ano que se iniciava, ainda tão cheio de incertezas nas áreas da saúde, educação e economia do país, pelos reflexos do Coronavírus.

Maria Luisa chegou a um mundo muito diferente do que há um ano atrás, mas, mesmo diante de um horizonte tão incerto e nebuloso, na esperança de um ano novo com novas oportunidades de ser reinventado.

Seja bem-vinda Maria Luisa!


 
Lucia Moraës
Enviado por Lucia Moraës em 04/01/2021
Alterado em 08/02/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras